CADA UM CONFORME AS SUAS OBRAS



Seguidamente a Escritura diz que o homem será julgado conforme as suas obras.
No entanto, não somos salvos por obras, para que ninguém se glorie.
Ao mesmo tempo, também está dito que fomos criados em Cristo Jesus para boas obras de antemão preparadas para que andássemos nelas.
Do quê a Escritura fala quando se refere a obras?—tem que ser a questão.
Do ponto de vista do Evangelho boas obras tem a ver com bondade, justiça, verdade, misericórdia, humildade e graça solidária.
Os bem-aventurados são feitos desses elementos.
É apenas por esta razão que um fariseu poderia não estar incluído na lista. Isto apesar das orações, esmolas, rigores comportamentais conforme as prescrições da Lei.

Hipócritas!
Sepulcros caiados.
Sepulturas invisíveis.
Filhos do diabo desejosos de satisfazer-lhe os desejos.
Guias de cegos.
Coadores de mosquitos e glutões de camelos.

São algumas das grifes que Jesus colou neles, apesar das obras.
Só há boas obras se as obras forem boas, e as obras só são completamente boas também para o praticante, se forem feitas com bondade.
Ainda que eu dê os meus bens aos pobres e entregue em martírio o meu próprio corpo para ser queimado, sem amor...nada disso me aproveitará.

Obras de amor!
Amor de Obras!

Ora, quando elas aparecem assim...de modo tão natural...já não são mais obras - nada há de vínculo com produção industrial de virtudes exteriores - mas são fruto do Espírito.
Então, já não há obras que sejam a causa de nada...mas nada será coisa alguma se não causar as obras do amor.
As obras que nos julgarão?
Não! As obras nos seguirão!
Quem não crê, já está julgado!
Nossas obras nos seguirão para a eternidade apenas na medida em que tenham sido filhas do amor que nasceu como obra da Graça no coração humano.
Obras de Graça!
A Graça das obras!
Pela Graças sois...
Bem-aventurados são...
Eles e as obras já não se separam...pois...são apenas expressões do ser impelido e tocado pela Graça.
Afinal, nós amamos porque Ele nos amou primeiro.
Obras?
Haja...disse Ele... e houve!



Caio Fábio

Nenhum comentário: